segunda-feira ,28 setembro 2020
Home / Geral / Sergio Moro deixa governo após Bolsonaro exonerar diretor da Polícia Federal

Sergio Moro deixa governo após Bolsonaro exonerar diretor da Polícia Federal

Sergio Moro não é mais o Ministro da Justiça e Segurança Pública. O ex-juiz federal confirmou, na manhã desta sexta-feira (24), que deixa o cargo no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). A saída acontece depois do presidente exonerar Mauricio Valeixo, diretor-geral da Polícia Federal e aliado de Moro desde os tempos da Operação Lava-Jato.

“O grande problema é por que trocar e permitir que seja feita interferência política ano âmbito da PF. O presidente me disse que queria colocar uma pessoa dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. Realmente, não é papel da PF prestar esse tipo de informação”, disse o agora ex-ministro.

Nesta quinta-feira, Moro teria dito a Bolsonaro que deixaria o cargo caso o presidente resolvesse interferir na Polícia Federal e na permanência de Valeixo. Nas primeiras horas dessa sexta, no entanto, a exoneração foi confirmada no Diário Oficial da União.

A saída de Moro gera uma grande crise política e acontece poucos dias depois da demissão de Luiz Henrique Mandetta, agora ex-ministro da Saúde, depois de diversos atritos com o presidente em relação a medidas de combate ao novo coronavírus.

Após diversos desgastes, Valeixo negociava uma saída pacífica do cargo para meados de junho, mas a antecipação da demissão surpreendeu aliados. Agora, o presidente quer indicar um nome de sua confiança ao comando da PF.

Desde que assumiu o cargo, Bolsonaro ensaiou em mais de uma oportunidade mudar o comando da PF, minando a influência de Sergio Moro sobre a cúpula da corporação. Tentativas de ingerência se deram com a abertura e o avanço de investigações contra pessoas do entorno do presidente.

O incômodo de Bolsonaro aumentou recentemente por causa de inquéritos que apuram um suposto esquema de fake news para atacar autoridades em redes sociais, entre elas alguns adversários, e atos pró-golpe militar promovidas por grupos bolsonaristas, no último domingo (19), o presidente foi a um deles.

“Falei para o presidente que seria uma interferência política. Ele disse que seria mesmo”, revelou Moro que garantiu não ter assinado a exoneração de Valeixo.

Com informações do Yahoo

Você pode Gostar de:

95 municípios podem ter de realizar segundo turno nas Eleições Municipais de 2020

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 95 municípios com mais de 200 mil …