quinta-feira ,4 junho 2020
Home / Geral / Samu de Manaus agora deixa de atender pacientes em estado gravíssimo para dar prioridade a quem tem chance de viver

Samu de Manaus agora deixa de atender pacientes em estado gravíssimo para dar prioridade a quem tem chance de viver

Depois dos hospitais, dos prontos de socorro e das Unidades Básicas de Saúde, agora até os médicos do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de Manaus estão sendo obrigados a fazer a dura escolha de decidir quem vive e quem morre nesta cidade de quase 2 milhões de habitantes duramente afetada pelo novo coronavírus.

Sem capacidade para atender todos os chamados e sem local adequado para levar pacientes graves por conta da lotação dos leitos de UTI, profissionais do Samu passaram a adotar no dia a dia protocolos de atendimento usados apenas em situações extremas, como nos casos de acidentes graves com múltiplas vítimas. 

foto: Yan Boechat

A prioridade agora é dada àqueles que tem mais chance de sobreviver e não aos que estão em estado mais grave. “É como uma guerra, preciso focar meus esforços em quem tem melhores condições de evoluir bem e reduzir meus esforços para aqueles que tem poucas chances de vida”, conta Domício Melo de Magalhães, diretor médico do Samu de Manaus. “É triste, mas é assim que está sendo”.

Desde que os casos de Covid-19 começaram a ganhar contornos de tragédia aqui em Manaus o Samu adotou novas diretrizes na sua central de regulação, a área onde médicos treinados definem quando e qual tipo de atendimento será feito. “Se a pessoa consegue falar, não mandamos mais ambulâncias”, conta ele. “Estamos tentando concentrar nosso efetivo para atender aqueles que estão em situação muito crítica, com falta de ar extrema, em que se nada for feito, a pessoa morrerá”, diz Domício, ele mesmo um médico que continua atuando nas ruas de Manaus a bordo de uma UTI móvel do Samu. 

Práticas tradicionais também foram alteradas em meio a crise. Antes, qualquer possibilidade de vida era vista como válida, possível. Agora não. “Tudo mudou com a Covid-19. Antes se eu chegasse em uma residência e encontrasse um idoso em parada cardio-respiratória eu tentaria a reanimação por até 40 minutos”, diz ele. “Mas hoje apenas atesto o óbito, porque se eu tentar reanimá-lo e houver retorno espontâneo do pulso, não tenho para onde levá-lo, não haverá uma UTI para ele ser cuidado, é tudo muito difícil”, conta Domício, que já se acostumou a ouvir histórias de colegas que assistiram pacientes com grave falta de ar morrerem nas ambulâncias porque simplesmente não havia leitos com respiradores nos hospitais de Manaus para recebê-los. “É duro”.

Elaine Bentes Carneiro, de 55 anos, ligou para o Samu na manhã dessa quinta-feira quando percebeu que sua mãe, a aposentada Francisca Ribeiro Bentes, de 75 anos, não estava conseguindo respirar. Francisca já vinha apresentando sintomas da Covid-19 há 15 dias, mas a situação se agravou no início dessa semana. “Na segunda-feira fomos ao hospital, mas disseram que ela estava bem, estava conseguindo respirar e nem médico nos deixaram ver”, contava ela na manhã de quinta. “Ainda ficamos lá esperando, mas nada, ninguém nos atendeu”.

Ontem, quando acordou, Francisca começou a ficar mais ofegante que o normal. Reclamou que não conseguia respirar. “Fizemos inalação nela, mas logo a boca dela começou a se contorcer, ficar roxa, acho que foi ai que ela morreu”, contava Elaine, enquanto era informada pelo médico do Samu sobre os trâmites legais para organizar o funeral de sua mãe. “Chegamos tarde, não houve tempo, uma equipe de enfermagem estava aqui antes de nós, mas ela já estava em parada cardíaca-respiratória por mais de 40 minutos, ai é irreversível”, contava o médico David Saback do Samu. “Impressiona muito o aumento dessas mortes em casa, em um dia contamos o chamado para nós do Samu atestarmos 25 óbitos”, dizia ele.

Com os hospitais e prontos-socorro lotados, o Samu se transformou na primeira linha de combate nessa guerra sem vencedores. São batalhas cada vez mais difíceis de serem travadas, tanto pela gravidade dos casos que enfrentam quanto pelos empecilhos colocados para tratar os pacientes de Covid-19. Em uma cidade em que a temperatura mínima raramente fica abaixo dos 24 graus e as máximas superam com facilidade os 30 graus, usar equipamentos de proteção pessoal são uma dificuldade ainda maior para esses profissionais.

foto: Yan Boechat

“A união dos EPIs com o calor e a humidade torna tudo muito mais difícil, ficamos desidratados rapidamente, os óculos embaçam, nossa mobilidade fica restringida e estamos permanentemente em risco de contaminação”, conta Dr. Saback. Ele foi um dos tantos médicos do Samu que teve a Covid-19. Em sua casa, toda a família foi contaminada.

Por vezes as dificuldades de usar os EPIs são tão grandes que alguns profissionais optam por correr riscos para conseguir realizar os atendimentos. “Os óculos de proteção são os piores, embaçam com o calor e a humidade, às vezes é simplesmente impossível ver o que você está fazendo”, conta Ludmila, uma enfermeira que preferiu dar um nome fictício, por temor de ser repreendida por sua chefia. “Há poucos dias tive que fazer um acesso venoso em um paciente com Covid-19 que estava claramente tendo dificuldades de respirar, ele tossia, estava muito agitado”, conta ela. “No meio daquela confusão, comecei a sua, o óculos embaçou e eu não conseguia ver a veia dele, tive que tirar a proteção para conseguir administrar o soro e as drogas”. Ludmila se expôs muito mais do que mandam as normas. Ela também contraiu Covid.

Hoje o Samu de Manaus têm entre 20% e 30% de seu efetivo afastado por sintomas da Covid-19. A maior parte deles não foi testada porque simplesmente ainda não existem testes para os profissionais da saúde. Ao menos três profissionais já teriam morrido em decorrência da doença. Por conta disso, parte da categoria reivindica um aumento no adicional de insalubridade, no adicional noturno e melhores condições de trabalho. “Nós temos direito a ter uma qualidade de trabalho digno, não estamos pedindo benefícios, estamos pedindo nossos direitos”, diz Denison Vilar, um técnico de enfermagem que lidera o movimento dos profissionais do Samu. De acordo com ele, se as reivindicações não forem atendidas, as unidades de atendimento ficarão nas bases entre o domingo e a segunda-feira em uma paralisação de 24 horas.

Com informações do Yahoo

Você pode Gostar de:

Câmara marca votação do orçamento e reajuste dos agentes de saúde para sexta-feira (05)

O presidente da Câmara, vereador Enis Gordin (PSB), marcou duas sessões extraordinárias para a próxima …