quinta-feira ,17 outubro 2019
Home / Geral / Porteiro confessa que matou colega de trabalho por não aceitar fim do namoro

Porteiro confessa que matou colega de trabalho por não aceitar fim do namoro

O porteiro Jerry Adriani Souza Rodrigues, de 45 anos, suspeito de assassinar uma colega de trabalho, a auxiliar de serviços gerais Marinalva Santos de Almeida, de 59, foi detido pela polícia logo após o crime, ocorrido na manhã desta sexta-feira (20), em Guarapari. Segundo a polícia, em depoimento na delegacia do município, ele confessou o crime e admitiu ter mantido um relacionamento amoroso por 12 anos com a vítima.

Jerry Adriani disse que cometeu o crime por não aceitar o fim do relacionamento com a vítima

O suspeito disse ainda que resolveu matar Marinalva porque não aceitava o fim do namoro. Há cerca de 20 dias os dois tiveram uma discussão, que teria sido motivada pela falta de cuidado de Jerry Adriani com o prórpio pai. Revoltada com a falta de atenção do porteiro com o familiar, Marinalva teria decidido que não continuaria o relacionamento.

O suspeito e a auxiliar de serviços gerais trabalhavam juntos há 15 anos. Jerry Adriani foi autuado em flagrante por homicídio duplamente qualificado – impossibilidade de defesa da vitima e feminicídio. Ele deve ser transferido para o Complexo Penitenciário de Viana neste sábado (21).

Marinalva foi brutalmente assassinada assim que chegou para trabalhar, na manhã desta sexta-feira

O crime aconteceu dentro do condomínio onde os dois trabalhavam, na Avenida Joaquim da Silva Lima, no centro de Guarapari. Marinalva havia acabado de chegar ao local para trabalhar, quando foi surpreendida pelo porteiro, que começou a agredi-la com um pedaço de madeira.

Uma câmera de videomonitoramento mostra que a auxiliar de serviços gerais chegou ao condomínio pouco depois das 6h40 desta sexta-feira. Ela estava com uma amiga. Cerca de dois minutos depois de Marinalva entrar no prédio, Jerry Adriani sai do local, andando tranquilamente e sem demonstrar que havia cometido um crime cruel.

Segundo a polícia, Jerry encontrou com Marinalva na portaria e, na recepção mesmo, começou a desferir os primeiros golpes. Já com a mulher fragilizada, ele teria arrastado a vítima para a garagem e terminado o crime.

A vítima foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos

As câmeras do prédio registraram toda a ação, mas as imagens não foram liberadas pelos responsáveis do condomínio. Na tarde desta sexta-feira, a equipe de jornalismo da TV Vitória/Record TV tentou falar com alguém no edifício, mas a recepção estava vazia.

Marinalva ainda foi achada com vida, mas acabou morrendo no hospital. O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória. Na tarde desta sexta-feira, familiares estiveram no local para fazer a liberação do corpo.

A auxiliar de serviços gerais deixa três filhas e sete netos. Ela se preparava para comemorar o aniversário de 18 anos de uma das netas. Marinalva morava há 30 anos no bairro Adalberto, também em Guarapari.

O velório da auxiliar de serviços gerais será no Recanto dos Idosos, em Guarapari. Já o enterro será neste sábado, no Cemitério Parque do Paraíso, ainda sem horário definido.

Com informações do site FOLHAVITÓRIA

Você pode Gostar de:

Marília Mendonça rebate hóspede de hotel que a chamou de gorda: “Errou, amada”

Marília Mendonça passou por um episódio desagradável em Catalão, Goiás. Ela e seu maquiador, Eduardo …