segunda-feira ,12 abril 2021
  • canal tempo real no youtube
Home / Geral / Menina foi abusada por pedreiro morto na Serra

Menina foi abusada por pedreiro morto na Serra

O pedreiro Aloísio da Silva Bandeira, 43 anos, morto no bairro Novo Horizonte na Serra, teria abusado de uma menina há 3 anos, mas a confissão da garota só aconteceu na última semana.

A madrasta de 31 anos, é esposa do homem suspeito de matar o pedreiro esta semana, quando ele seguia para o trabalho.

O suspeito Mauro César Gadiol, 30 anos, foi detido pela polícia na quinta-feira (9), e até então, a primeira linha de investigação, seria de latrocínio, roubo seguido de morte.

Mauro César confessou o crime para a polícia, e disse que cometeu o assassinato, porque a filha dele foi abusada pelo pedreiro Foto: Reprodução TV Gazeta

Mauro confessou o crime para polícia, e disse ter cometido o assassinato, porque o pedreiro teria abusado da sua filha. Desde o primeiro momento, em entrevista, a filha do pedreiro não acreditava muito na versão de latrocínio. Segundo a madrasta, a menina se afastou dos parentes e se mutilava depois de ter sofrido os abusos.

A adolescente, além de contar que foi abusada, disse ainda que uma prima dela também sofreu o abuso por parte do pedreiro morto, e que durante o abuso, ele tapava a boca da adolescente atualmente com 13 anos, e dizia que ela era a menina mais bonita da rua.

O pai da menina ouviu a conversa e segundo a esposa, ele não teve nenhuma reação, e por isso não acreditava que ele seria capaz de matar o pedreiro.

O chefe do Departamento de Investigações Criminais (Deic), representou pela prisão temporária do suspeito Mário César Gadiol, pelo crime de homicídio e foi concedido pela justiça no início da noite de quinta-feira (8). Ele foi encaminhado nesta sexta-feira (9), para o Centro de Triagem de Viana.

Tell Miranda

Jornalista e radialista

More Posts - Website

Você pode Gostar de:

Filas enormes na reabertura das casas lotéricas em Guarapari

O dia amanheceu com muitas filas na reabertura das casas lotéricas em Guarapari. Na lotérica da Joaquim da Silva Lima no Centro da cidade, muitos clientes tiveram que ficar dentro das galerias para se proteger da chuva.