• canal tempo real no youtube
Home / Geral / Mandetta: Ampliação do uso da cloroquina pode colapsar UTIs e provocar mortes em casa

Mandetta: Ampliação do uso da cloroquina pode colapsar UTIs e provocar mortes em casa

A insistência de Jair Bolsonaro (sem partido) na ampliação do uso da cloroquina para pacientes com quadro leve do novo coronavírus pode aumentar a ocupações de UTIs e provocar mortes em casa por arritmia. Essa é a visão de Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde.

Segundo o ex-ministro, que concedeu entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o governo já recebeu resultados de testes iniciais que indicam riscos no uso do medicamento.

“Começaram a testar pelos [quadros] graves que estão nos hospitais. Do que sei dos estudos que me informaram e não concluíram, 33% dos pacientes em hospital, monitorados com eletrocardiograma contínuo, tiveram que suspender o uso da cloroquina porque deu arritmia que poderia levar a parada cardíaca”, afirma Mandetta.

Para Mandetta, a exigência de Bolsonaro com a cloroquina é motivada pela vontade do presidente em reabrir a economia do país. O ex-ministro, contudo, acredita que o Brasil enfrentou apenas um terço da crise gerada pela pandemia e prevê 12 semanas “duras” pela frente.

Mandetta foi demitido do Ministério da Saúde no dia 16 de abril e deu lugar a Nelson Teich, que pediu demissão no último final de semana. A avaliação de Mandetta é que a decisão de seu sucessor tenha passado pelo protocolo da cloroquina.

“A ideia de dar cloroquina, na cabeça da classe política do mundo, é que, se tiver um remédio, as pessoas voltam ao trabalho. É uma coisa para tranquilizar, para fazer voltar sem tanto peso na consciência (…) Por isso não tem gente séria que defenda um medicamento agora como panaceia”.

Sobre a queda de seu sucessor, Mandetta foi direto: “Para mim foi isso que fez com o que Teich falasse: ‘Não vou assinar isso. Vai morrer gente e ficar na minha nota’”

Com mais de 16 mil mortos e um longo caminho para percorrer ainda, o Brasil teria “perdido” os últimos 30 dias, de acordo com o ex-ministro.

“Esse último mês foi perdido, sem nenhuma ação positiva por parte do ministério [da Saúde]. Tinha pedido para toda a minha equipe que permanecesse e ajudasse o ministro [Nelson Teich]. O natural numa situação dessas é o novo ministro colocar a visão dele e pedir para a equipe executar. Mas o que assistimos foi a demissão de todo o segundo e o terceiro escalão do ministério, sem colocar ninguém no lugar. isso ;e o pior dos mundos. O Ministério da Saúde está hoje uma nau sem rumo”.

Na avaliação de Mandetta, é “difícil coordenar um sistema [SUS] como ministro se o presidente dá outra mensagem”.

“Entre os ministros, tentávamos arrumar a situação. Mas passava um dia, três dias e novamente tínhamos uma situação contraditória [do presidente], seja de aglomeração ou ida a estabelecimentos comerciais. Ele claramente entendia que a crise econômica advinda da saúde era inaceitável, por mais que alertássemos que era uma doença muito séria e que o número de casos poderia surpreender”, revela o ex-ministro.

Com informações do Yahoo

Você pode Gostar de:

Drogas são apreendidas em Guarapari

Na noite desta terça (27), durante patrulhamento de rotina, uma equipe de policiais militares visualizou um indivíduo em atitude suspeita no Bairro Santa Mônica, que foi abordado e, após busca pessoal, foi encontrado em sua posse 224 pedras de crack e a quantia de R$ 150,00 reais.