segunda-feira ,12 abril 2021
  • canal tempo real no youtube
Home / Geral / Ferramenta do Twitter é alvo de polêmica que envolve fake news

Ferramenta do Twitter é alvo de polêmica que envolve fake news

Criado em 2006, o Twitter é hoje umas das principais redes sociais ativas no mundo. Entre as milhões de contas, uma das mais populares formas de interação é o Retweet, que surgiu em 2009. A ferramenta, porém, é o maior arrependimento de seu criador, Chris Wetherell.

Em entrevista ao BuzzFeed News, o desenvolvedor contou que sua intenção era “elevar as vozes de comunidades sub-representadas”, mas acredita que o objetivo não foi alcançado. Em paralelo, pesquisas e estudos apontam que o Retweet incentiva a viralização de fake newsnas redes sociais.

Ao BuzzFeed, Wetherell comentou que sua reação ao observar os usuários do Twitter usando a ferramenta de Retweet pela primeira vez foi pautada pelo temor. “Podemos ter acabado de entregar uma arma carregada para uma criança de 4 anos”, disse à época. Em sua entrevista, o desenvolvedor confessou que acredita que seu pessimismo estava mesmo certo.

Saiba como configurar o uso de dados no app do Twitter — Foto: Caio Bersot/TechTudo

Antes do botão existir, quando um usuário queria republicar um Tweet, tinha que fazer de forma manual. Ou seja, copiar e colar o texto, incluindo a sigla RT antes do comentário que desejasse fazer. Com a ferramenta, foi possível compartilhar o conteúdo de forma mais automática. Algum tempo depois, ela evoluiu e permitiu inserir comentários junto com o Retweet.

O arrependimento de Wetherell envolve uma questão simples: a praticidade de disseminação de conteúdo que a ferramenta proporcionou. Com a automatização deste processo, a leitura se tornou mais dinâmica e a ação ficou mais impulsiva e menos reflexiva. “Antes do Retweet, o Twitter era, em grande parte, um lugar de convívio. Depois, todo o inferno se soltou e se espalhou”, definiu, se referindo também à adoção do método pelo Facebook, em 2009.

Fake News

O temor de Wetherell tem fundamento. O Laboratório de Mídia do Massachusetts Institute of Technology (MIT) realizou um estudo, em março de 2018, que apontou para o perigo da viralização de fake news no Twitter. Segundo os especialistas, as notícias falsas se disseminam seis vezes mais rápido e com um volume 70% maior do que as verdadeiras na rede social.

Foram analisados 126 mil tweets, desde a criação do Twitter até o ano de 2017. O MIT revelou que as histórias foram retweetadas mais de 4,5 milhões de vezes e que o tema com maior índice de fake news é política. A conclusão foi que os conteúdos falsos mais viralizados impactaram 100 mil pessoas, enquanto os verdadeiras não chegaram a somar mil perfis atingidos.

Entre 2018 e o começo de 2019, o Twitter precisou tomar medidas contra o número de perfis fakes e robôs (bots), usados para espalhar fake news. Investigações apontaram que estratégia, que se tornou pública, teria sido usada por eleitores e funcionários de Donald Trump durante a corrida presidencial americana. No Brasil, a mesma polêmica surgiu também durante o período eleitoral.

Porém, segundo o MIT, os bots não são os protagonistas na viralização de fake news. Os principais divulgadores são os usuários reais, que podem, sim, ser impactados por robôs. Isso porque a tendência é que uma pessoa acredite mais no conteúdo recebido por alguém de confiança e, com isso, compartilhe sem checar a veracidade.

Diante de tantas polêmicas, em julho de 2018, foram bloqueadas uma série de contas consideradas suspeitas. Entre os comportamentos duvidosos está o uso intenso após meses de inatividade. Com isso, perfis mais seguidos do Twitter chegaram a perder, em média, 2% dos seguidores.

Em junho de 2019, o Centro para a Inovação em Governança Internacional, do Canadá, divulgou uma pesquisa feita a partir de entrevistas realizadas, entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019, com 25.229 usuários da internet em 25 países. A conclusão foi que 86% dos participantes já acreditaram em fake news que receberam pelas redes sociais. Especificamente no Twitter, 62% dos entrevistados disseram já ter lido informações e notícias falsas que viralizaram na plataforma.

Para quem denunciar fake news nas redes sociais? Usuários do Fórum do TechTudo trocam dicas; veja.

Por TechTudo

Tell Miranda

Jornalista e radialista

More Posts - Website

Você pode Gostar de:

Filas enormes na reabertura das casas lotéricas em Guarapari

O dia amanheceu com muitas filas na reabertura das casas lotéricas em Guarapari. Na lotérica da Joaquim da Silva Lima no Centro da cidade, muitos clientes tiveram que ficar dentro das galerias para se proteger da chuva.