• canal tempo real no youtube
Home / Geral / Coronavírus no BR | Vacina do Instituto Butantan deve ser distribuída em janeiro

Coronavírus no BR | Vacina do Instituto Butantan deve ser distribuída em janeiro

Na corrida por uma vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), é esperado que a fórmula desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butatan comece a ser distribuída, em massa e de forma gratuita, ainda em janeiro de 2021. Para isso, a vacina Coronavac deve ainda ser aprovada nos testes finais de eficácia.

Desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, vacina contra a COVID-19 deve chegar em janeiro de 2021 (Foto: reprodução/ Unsplash)

“A quantidade necessária para iniciar a imunização da população brasileira, pode ser aplicada já no início de janeiro com o SUS [Sistema Único de Saúde], com aplicação gratuita em toda população. A melhor notícia que poderíamos ter é a vacina”, afirmou o governador do estado de São Paulo, João Doria, em entrevista para a Rádio Itatiaia.

Atualmente, os testes da fase 3 para a vacina são realizados em nove mil voluntários pelo país, envolvendo centros de pesquisas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, além de Brasília, com coordenação do Instituto Butantan. Até outubro, essa etapa deve ser concluída.

No calendário para que a vacina contra a COVID-19 seja distribuída no início do ano que vem, caso o imunizante seja aprovado em todas as etapas, a Coronavac deve obter autorização de distribuição concedida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda nos primeiros dias de dezembro.

“Abril do ano que vem já teremos, com toda segurança, a imunização e a tranquilidade que as pessoas poderão celebrar festas, atividades, eventos musicais ou esportivos, sem risco para sua saúde ou sua vida”, explica Doria sobre as perspectivas do combate a essa pandemia.

Produção da vacina

A vacina desenvolvida pelo laboratório chinês com o Instituto Butantan tem em sua fórmula o novo coronavírus inativado, ou seja, contém apenas fragmentos inativos desse vírus (não há chances de desencadear uma infecção). Com a aplicação das duas doses previstas, é esperado que o sistema imunológico de cada paciente comece a produzir anticorpos contra o vírus da COVID-19.

Para ajudar nos custos do programa de desenvolvimento, o Instituto Butantan deve criar uma plataforma de doações para, dessa forma, dobrar a capacidade de produção da vacina contra o novo coronavírus. Segundo o governador, além de atender a todos os brasileiros, é possível que a vacina chegue a ser exportada para países vizinhos.

“Hoje iniciamos um programa de solicitação de doações para que ele possa arrecadar R$ 130 milhões e investir em equipamentos e tecnologia para aumentar a capacidade de produção, que hoje é de 120 milhões da Coronavac. Por que aumentar a produção? Para o atendimento da totalidade de brasileiros, já que a vacina será aplicada duas vezes. Então, pretendemos dobrar para 240 milhões de vacinas para atendermos todos os brasileiros. Havendo uma segunda ou terceira vacina, o Butantan vai exportar para países vizinhos”, avisou Doria anteriormente.

Fonte: Yahoo

Você pode Gostar de:

Drogas são apreendidas em Guarapari

Na noite desta terça (27), durante patrulhamento de rotina, uma equipe de policiais militares visualizou um indivíduo em atitude suspeita no Bairro Santa Mônica, que foi abordado e, após busca pessoal, foi encontrado em sua posse 224 pedras de crack e a quantia de R$ 150,00 reais.